Como o Facebook está vigiando seus passos?


A cada dia surgem novas denúncias sobre a falta de privacidade da rede social. Mas como ela está agindo?
A maior rede social do mundo liga mais de meio bilhão de pessoas. Isso permite comunicações e compartilhamentos em vários níveis, que vão desde pequenos arquivos até grandes obras, vídeos e outros materiais de interesse comum. Você já deve saber que essa rede é o Facebook, mas você acha que ele é tão seguro quanto imaginamos?



Nas últimas semanas, várias denúncias surgiram, todas afirmando que os dados pessoais armazenados nos servidores do Facebook vão muito além do que pode ser considerado respeitoso à privacidade dos usuários. Há informações, inclusive, que afirmam que mesmo depois de deletar a conta, os ex-cadastrados continuam tendo os movimentos registrados.
Como o Facebook faz esse rastreio?

Assim como grande parte dos sites da internet, o Facebook instala cookies no seu computador. Eles são responsáveis pelo armazenamento de uma série de informações de navegação e, o principal, são utilizados para enviar estes mesmos dados até servidores remotos.

E é com base nesses cookies que as denúncias de que o Facebook estaria rastreando seus usuários surgiram. Segundo o USA Today, a rede social estaria quebrando as regras de privacidade em três níveis:
Conectado: assim que você se loga nos servidores, um cookie de sessão e um cookie de navegação são instalados no navegador. Eles são responsáveis pela medição de tempo de permanência na página, além de localizar IP, resolução e várias outras informações técnicas. Além disso, todas as vezes que você clicar em “Curtir”, preferências de usuário serão salvas.

Desconectado: quando você está navegando em outras páginas ou se está visitando o Facebook, sem estar logado na rede social, apenas o cookie de navegação é instalado. Porém, todos os itens citados anteriormente continuam sendo informados ao servidor, incluindo seu IP e seu tempo de permanência.

Após encerrar as atividades do Facebook: denúncias de um grupo alemão apontam para o fato de que, até mesmo após deletar a conta na rede social, os usuários continuam sendo rastreados. Isso significa que dados de navegação continuam sendo recebidos pelos servidores de Zuckerberg.
De onde vêm as denúncias?

A fonte principal das acusações é a ACLU (União pela Liberdade Civil Americana, uma organização independente dos EUA), que afirma categoricamente: “A rede social está seguindo você”. Foi ela que entrou em contato com o órgão governamental FTC (Comissão Federal do Comércio, também dos EUA), com as denúncias de que o Facebook estava roubando informações.

O que a ACLU pede é que uma ferramenta chamada “Do not track” (Não rastreie) seja instalada no Facebook. Com ela, os usuários poderiam decidir se desejam ter suas informações de navegação rastreadas e enviadas para a rede social e seus parceiros. O próximo passo, caso a FTC endosse as denúncias, será levar os pedidos até o congresso norte-americano.

O que isso significa? O Facebook está passando pelas mesmas denúncias que a Google passou algum tempo atrás. Provavelmente, o rastreamento de dados de navegação deve ser utilizado para personalização de oferta de conteúdo, segmentando com mais eficiência os anúncios exibidos.

Encarar esses fatos como invasão de privacidade depende de cada leitor. Mas é fato que, nem todos os usuários gostam de saber que estão tendo todos os passos vigiados. Ainda mais quando não se sabe quais são as reais intenções por trás da atitude.

Facebook estaria rastreando até mesmo quem já deletou a conta na rede socialO problema seria originado em um cookie, que armazena informações e reenvia para os servidores depois da exclusão.



Uma agência de segurança digital alemã, a Hamburg Data Protection, disse ao Bloomberg que oFacebook está agindo de maneira ilegal com seus usuários. A empresa afirmou que a rede social instala cookies rastreadores que permanecem ativos nos computadores dos usuários, até mesmo quando as contas no Facebook já foram excluídas.

Johannes Caspar, representante da Hamburg Data Protection, afirmou que o argumento do Facebook (“usuários que deixaram a rede precisam continuar reconhecíveis para garantir a segurança do serviço, impedindo que spammers reativem os perfis sem autorização”) não é válido. Ele diz ainda que isso mostra que a rede social está apenas criando perfis de rastreamento, o que é ilegal.

O grupo alemão vai se reunir com representantes de órgãos similares da Irlanda e da Noruega, para que seja criado um relatório completo. O objetivo deles é entrar com petições de esclarecimento do Facebook junto à União Europeia.
Fonte: http://www.tecmundo.com.br

Postagens mais visitadas