Pular para o conteúdo principal

Da Vale ao caos, do caos à lama


Mariana (MG) - Barragens de Santarém e Fundão que romperam na quinta feira (5), trazendo destruição à zona rural de Mariana, em Minas Gerais. (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Por Henrique Santana e Patricia Iglecio
Foto em destaque: Antonio Cruz/Agência Brasil
Infografia: Henrique Santana

A Vaidapé entrou em contato com um ex-funcionário da Vale no município de Mariana, em MG, local que foi varrido pelo rompimento de duas barragens de rejeitos da empresa, na tarde da última quinta-feira (5). Ele conta sobre a violência que a região vive há décadas, hoje inundada de lama tóxica



“Eu vejo publicações dizendo que a barragem estourou por causa de um tremor da terra, como se fosse uma catástrofe natural. Isso já está embutido nas próprias chamadas dos jornais. A imprensa fala: ‘Rompeu-se a barragem’. Quem rompeu-se meu amigo? ‘O distrito foi inundado pela lama’. Como foi inundado? Brotou lama do solo e inundou? A mídia fala como se não tivesse responsáveis, mas a Samarco e a Vale são as responsáveis por isso.”

A frase acima é de Makely Ka, ex-funcionário da Vale S.A, vivido e crescido em Minas Gerais. Atualmente, não trabalha mais no ramo. Após cursar algumas faculdades, sem concluir nenhuma, passou a se dedicar exclusivamente à música, profissão que exerce até hoje. O emprego na Vale veio logo após sua formação como técnico em eletrônica, em meados da década de 90. Na época, morava no município de Mariana, região central de MG, hoje soterrado pela enxurrada de lama que se iniciou após o rompimento de duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco, empresa controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP Biliton desde 2000.

A história da tragédia de Mariana já se desdobrou pelo país e deixou imagens de arrepiar a espinha. Os números também assustam. Até o momento, são ao menos 21 pessoas desaparecidas, seis mortes, dois corpos que não foram identificados e centenas de residências destruídas. Mais de 600 pessoas estão desabrigadas e alojadas no ginásio da cidade e em hotéis. A lama também chegará ao Espírito Santo e deve afetar o abastecimento de água de Baixo Guandu, Colatina e Linhares, ameaçando as atividades rurais das cidades e espécies de peixes dos rios.


“Eu vi pelo menos três acidentes. Eles não foram divulgados e essas notícias ficaram ali dentro. As mineradoras tem um controle muito grande sobre a informação que sai. Tem muito dinheiro em jogo”



A Samarco é a décima maior empresa exportadora do país e opera um grande complexo de mineração na região de Mariana. A poucos quilômetros de Bento Rodrigues, região em que o vazamento se iniciou, quase na divisa do distrito, está a Mina de Timbopeba – que também pertence à Vale. Foi lá que Makely trabalhou em 1994 e presenciou outras “catástrofes” que não viraram notícia. “Eu vi pelo menos três acidentes. Eles não foram divulgados e essas notícias ficaram ali dentro. As mineradoras tem um controle muito grande sobre a informação que sai. Têm muito dinheiro em jogo, eles são muito poderosos”, denuncia.

Uma das fatalidades vista por Makely chegou a virar pauta na imprensa local, em Mariana. Dois trens da Vale colidiram em cima de uma ponte na região e despencaram desfiladeiro abaixo. Os maquinistas que operavam a locomotiva morreram na hora. “Esse foi divulgado porque o pessoal do sindicato conseguiu fazer foto, mas não saiu nada em nenhum jornal do estado”, conta.



Os outros dois acidentes caíram no esquecimento da história. Em um deles, conta o ex-funcionário, um caminhão Haulpak passou em cima de um carro dentro da mina e matou as pessoas que estavam dentro. O ocorrido mal havia sido digerido e, no mesmo ano, outro trabalhador caiu dentro de um britador primário e “virou minério”.

“Essas notícias nunca saíram de dentro da mina. Claro que as famílias comentam, mas não vira notícia. E se isso tudo aconteceu no período de um ano e meio que eu passei lá, imagina o número de acidentes que vieram depois e foram abafados”, ressalta.

| Veja também: A jornalista Laura Carpiglioneesteve recentemente na região de Mariana. Ela denunciou uma estranha movimentação na condução das operações de resgate, sugerindo uma possível ocultação de cadáveres como forma de preservar a imagem da Samarco. Leia a reportagem aqui

Com o rompimento das barragens em Bento Rodrigues, uma amostra do descaso da Vale com as regiões exploradas pela mineração vazou para o mundo – mesmo que com o sujeito oculto pelas manchetes jornalísticas (veja mais abaixo).Bombeiros buscam sobreviventes no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana – Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens) soltou uma nota após o ocorrido, denunciando que “as empresas Vale e BHP são responsáveis pelo rompimento. Há muitos anos, a comunidade vem alertando sobre os riscos. Ontem, na hora do almoço, trabalhadores ouviram estrondos, mas as atividades continuaram. Suspeitas de que um terremoto teria provocado o acidente não se sustenta visto que foi um tremor de baixíssimo impacto. Não havia nenhum mecanismo de aviso e socorro à população, como exigido em lei (…) A negligência das empresas é total”.

Para Makely, o desastre que tomou conta de Mariana e o descaso das empresas são só mais uma pegada de um dramático projeto de destruição que ele acompanha desde sua infância.Em 20 reportagens pesquisadas pela Vaidapé no portal G1, da Rede Globo, quatro mencionavam a Samarco na manchete. O nome da Vale não apareceu em lugar algum. Tirando uma chamada que carregava o nome da empresa, nas outras 19 matérias a palavra “Vale” apareceu apenas uma vez. Até mesmo na notícia que abordava o encontro do prefeito de Mariana com dirigentes da mineradora, a redação do G1 se limitou a dar apenas os nomes da Samarco e da BHP Biliton
O RASTRO DE DESTRUIÇÃO DA VALE

O município de Mariana compõe o chamado Quadrilátero Ferrífero, região mineira responsável por 60% de toda a produção nacional de minério de ferro. A área também engloba a cidade de Itabira, berço de dois expoentes brasileiros de bastante contraste: o poeta e escritor Carlos Drummond de Andrade e ela, a Vale do Rio Doce, fundada em 1942.O Tsunami de lama que saiu de Bento Rodrigues – Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
“Quando a Vale começou, Itabira era para ser uma cidade polo, com universidades de ponta, de pesquisa. E lá não tem nada. É uma cidade com alto índice de suicídio, inclusive porque a atividade mineradora é cada vez menor”

A história da Vale em Itabira marcou a carreira de Drummond, sobretudo pelo primeiro feito da empresa na região, quando o Pico do Cauê, cartão postal da cidade, se transformou em uma verdadeira cratera de extração de minério. O poeta eternizou a melancolia Itabirana em “A montanha pulverizada”, de 1973, época em que a Mina do Cauê já se consagrava uma das maiores frentes de extração da América:
Adicionar legenda
“Esta manhã acordo e não a encontro,
britada em bilhões de lascas,
deslizando em correia transportadora
entupindo 150 vagões
no trem-monstro de 5 locomotivas
– trem maior do mundo, tomem nota –
foge minha serra vai,
deixando no meu corpo a paisagem
mísero pó de ferro, e este não passa.”

— Carlos Drummond de Andrade

Makely partilha do sofrimento de Drummond. Nascido em Valença do Piauí, sua infância foi em Minas Gerais, estado que mora até hoje, sempre em áreas diretamente impactadas pela exploração de minério. Ele também relembra a trajetória da Vale em Itabira, que tem um começo tão trágico quanto seu final.

“Quando a Vale começou, Itabira era para ser uma cidade polo, com universidades de ponta, de pesquisa. E lá não tem nada. Digo isso porque minha família é de lá. É uma cidade com alto índice de suicídio, inclusive porque a atividade mineradora é cada vez menor, já que a lavra [extração de metais] está diminuindo”. A previsão é que nos próximos 20 anos a extração de ferro na mina se esgote e a cidade fique sem perspectivas, já que, nas últimas décadas, a economia de Itabira girou quase que exclusivamente em torno da Vale. A lógica da empresa é “simples”, conta Makely, “termina a lavra, a Vale vai explorar outras áreas e acabou. Em Barão de Cocais, onde vive minha mãe, a Vale chegou há 10 anos causando muita comoção. Mas eles vão lá explorar o minério. Depois que acabou, tchau!”, conclui.
O IMPACTO SOCIOAMBIENTAL NAS ÁREAS DE MINERAÇÃO

Após o Tsunami de lama que varreu Mariana, o coordenador de fiscalização de pesquisa mineral do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), órgão responsável pela fiscalização das barragens, declarou que o rejeito de minério de ferro é classificado como inofensivo à saúde. Para ele, mesmo que haja contato com a água do rio, o consumo desta não será prejudicado. A Samarco reiterou a afirmação.

No entanto, outros municípios afetados pela enxurrada não partilham da mesma opinião. Os rejeitos das barragens de Bento Rodrigues desceram vale a dentro, atingiram o leito do Rio Doce e já chegam no Espirito Santo. Em grande parte das cidades atingidas pela onda de lama, o abastecimento de água foi suspenso, depois que órgãos fiscalizadores detectaram substâncias como mercúrio e alumínio nos rejeitos. Biólogos e ambientalistas já alertam para milhares de quilômetros de oceano que serão impactados quando o liquido chegar ao litoral – isso sem contar as extenções de terra já atingidas. Uma catástrofe ambiental sem precedentes no Brasil.




O tsunami tóxico que escorre pelos vales mineiros – Foto: Corpo de Bombeiros

“Essa lama é extremamente tóxica. Eu acho muito irresponsável dizer que não é, porque você sente o cheiro. Claro que é tóxico! Se você entra em uma área de flotação de uma mineradora você já sente o ar pesado. Então manda quem disse que não é tóxico entrar, tomar banho de lama, porque eu tenho certeza que nenhum deles faz isso”, ironiza Makely, fazendo referência as afirmações da Samarco e do DNPM.
“Manda quem disse que não é tóxico entrar, tomar banho de lama. Porque eu tenho certeza que nenhum deles faz isso”

A área de flotação, citada pelo músico, consiste em grandes tanques, onde o minério britado passa por um processo de decantação através de reagentes químicos, que separam o ferro que será extraído de outros componentes. O rejeito que vai para o fundo do tanque é escoado para a barragem e toda a área do entorno dessa tem o acesso proibido.

Makely explica que, inclusive, existe um grave problema de saúde pública. Por conta da quantidade de ouro que fica no rejeito, são muitos os casos de pessoas que entram ilegalmente nas barragens para garimpar e acabam parando nos hospitais por doenças ou intoxicações.

No terceiro semestre deste ano, algumas semanas antes do rompimento das barragens, a Vale anunciou seu recorde histórico de produção de minério: mais de 88 milhões de toneladas, O feito ocorreu mesmo em um período de desaceleração da economia, sobretudo pela queda nas exportações para a China, principal consumidora do Brasil. O preço do recorde, por outro lado, é alto. A mineração exige uma enorme captura de água para a extração e escoamento do minério. Nesse processo, a água é contaminada com uma série de reagentes químicos e substâncias tóxicas, tornando-a inutilizável.Mar de lama: moradores observam a catástrofe do alto – Foto: Gustavo Ferreira- Jornalistas Livres

Na região de Mariana e do Quadrilátero Ferrífero, a principal fonte de água provem de duas das mais importantes bacias hidrográficas de Minas Gerais, responsáveis, inclusive, por grande parte do abastecimento de Belo Horizonte. Essa água é desviada da população e de comunidades de pequenos agricultores para os dutos sedentos das mineradoras.
“Conceição do Mato Dentro é uma situação de calamidade pública. Pessoas chegam em situação análoga à escravidão. Aumentam os índices de prostituição, de violência, de gravidez na adolescência, de uso de drogas. Uma situação trágica que vem a reboque da mineração”

Makely atenta que, para além dos impactos ambientais, os danos sociais causados pela mineração brasileira são imensuráveis. Um caso que marca a vida do músico é a história de Conceição do Mato Dentro, também em MG. A cidade tem cera de 20 mil habitantes e hoje vive em uma situação de miséria, com altos índices de uso de drogas e violências de todos os tipos.

“É uma situação de calamidade pública. As mineradoras trabalham com empresas terceirizadas, que, por sua vez, contratam mão de obra de regiões pobres no norte e nordeste. Essas pessoas chegam, muitas vezes, em situação análoga à escravidão”, conta Makely, que descreve a cena de um filme de horror. “Você não acredita o número de casos de gravidez que acontecem nessas regiões. O cara passa ali, engravida uma, engravida duas e vai embora, porque ele é funcionário de uma empreiteira terceirizada. É uma situação muito dramática. Aumentam os índices de prostituição, de violência, de gravidez na adolescência, de uso de drogas. Uma situação trágica que vem a reboque da mineração.”



Ele completa a narração do cenário: “Parece uma paisagem de guerra, de guerra civil lunar. Um lugar dos infernos. Parece que passou uma draga ali, um furacão”.

Para Makely, os impactos causados pela mineração extensiva no Brasil são mais do que necessários para repensar as políticas de exportação. “Existe esse grande mito de que o minério sustenta a economia, de que sem a exportação do minério o PIB ia cair, ia gerar muito desemprego. É uma questão que a gente deve pensar. Qual é o custo real disso? São commodities vendidos muito barato. Você arranca o minério e vende ele para os chineses produzirem os eletrônicos e eletrodomésticos que a gente consome por um preço muito mais caro em relação ao que a gente vendeu para eles”, questiona. Ele completa problematizando o tipo de emprego gerado pela atividade mineradora, que segundo ele é, na realidade, um “subemprego”.
A MINERAÇÃO E O LOBBY POLÍTICO

Além da influência na mídia, já citada por Makely no início desta matéria, o setor da mineração e metalurgia é um dos mais ativos financiadores de campanhas eleitorais. Em 2014, o setor repassou R$ 47,7 milhões de seus cofres para parlamentares. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, no Congresso de hoje, 166 dos 513 deputados federais e 14 dos 81 senadores eleitos em outubro de 2014 foram beneficiados pelo montante.



Os dados das últimas campanhas eleitorais são reveladores. A Vale Energia doou R$ 2,5 milhões para a atual presidenta Dilma Rousseff (PT). Já o governador de MG, Fernando Pimentel (PT), recebeu R$ 1,8 milhão provenientes da Vale Energia e Vale Manganês.

A Comissão Especial para o Novo Código da Mineração, que tramita no Congresso, tem como relator o deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG). Reeleito em 2014, o parlamentar recebeu R$ 380 mil de empresas de extração mineral.

Guilherme Mussi (PP-SP), outro integrante da comissão que discute o novo código, recebeu R$ 3,1 milhões da Indústrias Brasileiras de Artigos Refratários (Ibar) e R$ 250 mil da Vale. Também ocupa uma cadeira o deputado Luiz Fernando Faria (PP-MG), que registrou R$ 1,4 milhão em contribuições de oito empresas do ramo. A maior é da Vale, que doou R$ 800 mil.

Outro destaque da comissão é a deputada federal Rose de Freitas (PMDB-ES). Eleita também à uma vaga no Senado, Rose tem como primeiro suplente de sua cadeira na Câmara o empresário Luiz Pastore(PMDB), dono da Copper Trading, que doou um montante de R$ 1,2 milhão para a pemedebista. A parlamentar que no total arrecadou R$ 2,9 milhões de empresas do setor, recebeu também da Indústria Brasileira de Metais (Ibrame), Bramagran Mármores e Granitos e Vale.

Makely dá um exemplo mais concreto da interferência de empresas do ramo da mineração no poder público. O caso se deu na criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, em Minas Gerais, no final de 2014. Após uma batalha de anos travada por geólogos e ambientalistas, o projeto de criação do parque foi encaminhado para o governo federal. Resultado? A proposta original, de 38,2 mil hectares de mata preservada, foi para 31,2 mil. As áreas amputadas do plano original fazem parte, justamente, do perímetro destinado a extração do ferro do projeto Apollo da Vale, um dos maiores da mineradora no Quadrilátero Ferrífero, que é orçado em 4 bilhões de reais.
O NOVO CÓDIGO DA MINERAÇÃO

A maioria das cadeiras da comissão responsável pela votação do projeto são ocupadas por parlamentares que receberam verba de empresas do ramo da mineração. O novo código foi elaborado para alterar regras que foram estabelecidas durante a ditadura militar. Entre os critérios que devem ser alterados estão: o regime de prioridades, que significa que o primeiro a entrar com o pedido de pesquisa tem o direito de lavrar posteriormente, e o tributo que incide sobre a extração, a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFM), o chamado “royalty da mineração”.



A mineração no Brasil é sinônimo de ferro, principal produto de exportação do país, praticamente 70%. Além disso, é o maior recolhedor de impostos. O segundo é o ouro, mas, mesmo assim, os valores são discrepantes. Enquanto o ferro arrecada US$30 bilhões anualmente, o ouro alcança U$2,3 bilhões, seguido pelo nióbio com US$1,8bi e o cobre US$1,5bi.

As indefinições sobre as novas regras que passarão a vigorar sobre o setor de mineração não pretendem comprometer as arrecadações da CFEM, permitindo que continue como uma atividade predatória e neoliberal.

Desde 86, Minas Gerais já sofreu com 6 rompimentos de barragens, ainda que nenhum tenha tomado as proporções do último desastre. Para Makely, o Estado brasileiro carrega uma responsabilidade histórica pelo ocorrido em Mariana e tantas outras atrocidades cometidas pela extração predatória, que tem na Vale, a maior mineradora do Brasil e a segunda do mundo, o símbolo máximo desse processo. “A gente tem uma política desenvolvimentista que é a mesma que foi implantada em 1940, baseada na exploração dos recursos naturais. Nós somos hoje o grande exportador de commodities, não só minério, mas outros recursos, como a soja. A gente não tem desenvolvimento em tecnologia, em indústria de transformação, em nada. É o mais baixo grau de produção humana”, afirma.

Músico que é, Makely encerra suas considerações citando um colega de profissão: “O Tom Zé costumava dizer que a bossa nova elevou o país de exportador de commodities a exportador de música, o mais alto grau de elaboração do intelecto humano. E a gente de repente voltou para o período pré-bossa nova. Como se a única forma de manter a balança comercial e o PIB do país fosse a exportação desses recursos esgotáveis. Porque é isso, acabou a exploração acabou tudo.”

Foto: Gustavo Ferreira / Jornalistas Livres
Fonte: http://vaidape.com.br/blog/2015/11/da-vale-ao-caos-do-caos-a-lama/

Postagens mais visitadas deste blog

Biólogos provam que o sarampo não é um vírus, e vence processo da Suprema Corte Alemã.

Em uma decisão recente, os juízes do Supremo Tribunal Federal alemão (BGH) confirmaram que o vírus do sarampo não existe.
Além disso, não há um único estudo científico no mundo que possa provar a existência do vírus em qualquer literatura científica. Isso levanta a questão do que foi realmente injetado em milhões ao longo das últimas décadas.

Nenhum cientista, imunologista, especialista em doenças infecciosas ou médico nunca foi capaz de estabelecer uma base científica, não só para a vacinação do sarampo, mas qualquer vacinação para bebês, mulheres grávidas, idosos e até mesmo muitos subgrupos de adultos.

O fato de muitas vacinas serem ineficazes está se tornando cada vez mais aparente. Merck foi golpeada com dois processos de ação de classe separados alegando que mentiu sobre a eficácia da vacina contra caxumba em sua combinação MMR tiro e fabricados estudos de eficácia para manter a ilusão para as duas últimas décadas que a vacina é altamente protetora.



Estudos como o publicado na r…

Socialismo Fabiano! Lobos em pele de cordeiro.

O socialismo fabiano, ou fabianismo, é um movimento político-social britânico nascido no fim do século XIX, encabeçado pela Sociedade Fabiana. Esta associação foi fundada em Londres no dia 4 de janeiro de 1884, e propunha, como finalidade institucional, a elevação da classe operária para tornar-la apta a assumir o controle dos meios de produção.

Desde seus fundadores, o casal britânico Sidney e Beatrice Webb, o fabianismo nunca passou de um instrumento auxiliar da revolução marxista, incumbido de ganhar respeitabilidade nos círculos burgueses para destruir o capitalismo desde dentro. Os conservadores ingleses diziam isso e eram ridicularizados pela mídia, mas a abertura dos Arquivos de Moscou provou que o mais famoso livro do casal não foi escrito pelo marido nem pela esposa, mas veio pronto do governo soviético.

A articulação dos dois socialismos era chamada por Stalin de “estratégia das tesouras”: consiste em fazer com que a ala aparentemente inofensiva do movimento apareça como ún…

"Israel envolvidos no assassinato do juiz Teori Zavascki em avião para evitar papéis Panamá??

Nas informções abaixo posso não concordar com isto ou aquilo, mas postei na integra o material que encontrei pois, precisamos de toda informação possivel para que ao chegar novas noticias tenhamos uma compreenção melhor do que nos rodeia, atentem para as informações que julguem interessantes descartem o que seja dentro de seu sistema de crenças.  Ricardo Camillo.
Papéis Panamá segunda parte; levando à prisão de mais de 200 políticos e executivos, incluindo o presidente Temer e ex-presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Seria uma outra razão para a demissão procurado do diretor do serviço secreto Mossad ".
21 de janeiro de 2017




O juiz Teori Zavascki morreu no ataque em seu avião na quinta-feira no mar ao sul do Rio de Janeiro.

Seu assassinato foi realizado pela presidência brasileira, que é de propriedade por sionista Michel Temer com a assistência técnica do Mossad para proteger os seus investimentos em ambas as empresas Petrobras e Odebrecht SA, para evitar a prisão de mai…