A Ciência da Conexão


Por Colaborama


A ciência moderna está a começar a perceber que o mundo é uma rede viva.
Uma Terra, Uma Humanidade, Um Futuro, é um conceito que tem sido transmitido por poetas, filósofos e professores espirituais ao longo dos tempos. Uma das suas expressões mais bonitas é encontrada no célebre discurso atribuído ao chefe Seattle das tribos Suquamish e Duwamish naquele que agora é o estado de Washington no noroeste dos EUA:

Isto nós sabemos:

Todas as coisas estão conectadas

Como o sangue

Que une uma família…

O que quer que acontece à Terra,

Sucede aos filhos e filhas da Terra.

O homem não tece a teia da vida;

Ele é meramente um fio dela.

Tudo o que ele faz para essa teia,

Ele faz para si mesmo. – Chefe Seattle

conceito de conectividade é amplamente aceito na ciência.

A Teia da Vida

A mesma ideia está no cerne da Carta da Terra, essa notável declaração de 16 princípios fundamentais para construir um mundo justo, sustentável e pacífico. O preâmbulo da Carta da Terra afirma:
Estamos num momento crítico na história da Terra, um tempo em que a humanidade deve escolher o seu futuro… Devemos reconhecer que, no meio de uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade da Terra com um destino comum.

As noções honradas da Teia da Vida e da comunidade da Terra, ou comunidade da Vida, são totalmente coerentes com uma nova concepção da vida que surgiu na ciência nos últimos 30 anos.


A Teia da Vida significa que todos fazemos parte da Comunidade da Terra.

Uma nova Concessão
A visão da vida desde a perspectiva dos sistemas é uma nova compreensão sobre a vida na Terra que está a emergir na vanguarda da ciência contemporânea. O Universo não é mais visto como uma máquina composta de blocos elementares de construção. É uma concepção da vida baseada no pensamento sistêmico e alguns dos novos conceitos e técnicas matemáticas da teoria da complexidade.
Permite-nos, pela primeira vez, integrar as dimensões biológicas, cognitivas e sociais da vida. Descobrimos que o mundo material é uma rede de padrões de inseparáveis relações. Que o planeta como um todo é um sistema vivo, autorregulado.
A visão do corpo humano como uma máquina e da mente como uma entidade separada está a ser substituída por uma que vê não apenas o cérebro, mas também o sistema imunológico, os tecidos corporais e até mesmo cada célula como um sistema cognitivo vivo.

Perspectiva dos Sistemas integra os aspectos biológicos, cognitivos e sociais.

A Perspectiva dos Sistemas
A evolução não é mais vista como uma luta competitiva pela existência, mas sim como uma dança cooperativa em que a criatividade e o surgimento constante da novidade são as forças motrizes. E com o novo ênfase na complexidade, redes e padrões de organização, uma nova ciência de qualidades está a emergir lentamente.
Eu chamo a essa nova ciência de “visão da vida da perspectiva dos sistemas” porque envolve um novo tipo de pensamento – pensar em termos de relações, padrões e contexto.
Na ciência, esse modo de pensar é conhecido como “pensamento da perspectiva dos sistemas” ou “pensamento sistêmico”. Pensar em termos de relacionamentos é crucial para a ecologia, porque a ecologia – derivada do grego oikos, que significa “família” – é a ciência das relações entre os vários membros da casa Terra.


O pensamento sistêmico tem a ver com o olhar para a vida em termos de relacionamentos, padrões e contexto.

Redes Vivas
Uma das ideias mais importantes na compreensão sistêmica da vida é o reconhecimento de que as redes são o padrão básico de organização de todos os sistemas vivos. Os ecossistemas são entendidos em termos de redes alimentares (isto é, redes de organismos). Os organismos são redes de células, órgãos e sistemas de órgãos e as células são redes de moléculas.

A rede é um padrão que é comum a toda a vida. Onde quer que vejamos a vida, vemos redes. Na verdade, no cerne da mudança de paradigma, da visão mecanicista para visão sistémica da vida, encontramos uma mudança fundamental de metáfora: ver o mundo como uma máquina para compreendê-lo como uma rede.

Um exame mais detalhado dessas redes vivas mostrou que a sua característica fundamental é que elas são autocriadas. Numa célula, por exemplo, todas as estruturas biológicas – as proteínas, as enzimas, o ADN, a membrana celular e assim por diante – são continuamente produzidas, reparadas e regeneradas pela rede celular. De modo semelhante, ao nível de um organismo multicelular, as células corporais são continuamente regeneradas e recicladas pela rede metabólica do organismo.


As redes são o padrão básico de organização. As redes são reconhecidas como o padrão básico de organização de todos os sistemas vivos.

Processos de Comunicação
As redes vivas continuamente criam ou recriam-se transformando ou substituindo os seus componentes. Dessa forma, elas sofrem mudanças estruturais contínuas, preservando os padrões de organização da rede. Esta coexistência da estabilidade e da mudança é, de facto, uma das características-chave da vida.
Cada comunicação cria pensamentos e significado, que dão origem a outras comunicações, e assim toda a rede é criada.
A vida no campo social também pode ser entendida em termos de redes, mas aqui não estamos a lidar com processos químicos: estamos lidando com processos de comunicação. As redes sociais, como você sabe, são redes de comunicações. Como redes biológicas, elas são auto-criadoras, mas o que elas geram é principalmente não-material. Cada comunicação cria pensamentos e significado, que dão origem a outras comunicações, e assim toda a rede é criada.


As Redes Sociais geram pensamentos e significados para criarem padrões de comunicação.

A Mente e a Consciência
Uma das implicações filosóficas mais importantes e mais radicais da visão sistêmica da vida é uma nova concepção da natureza da Mente e da Consciência, que finalmente supera a divisão cartesiana entre a mente e a matéria que tem assombrado filósofos e cientistas ao longo de séculos.

No século XVII, René Descartes baseou a sua visão na divisão fundamental entre dois reinos independentes e separados – o da mente, que ele chamou de “coisa pensante” (res cogitans) e o da matéria, a “coisa estendida” (res extensa).

Depois de Descartes, cientistas e filósofos continuaram a pensar na mente como uma entidade intangível e foram incapazes de imaginar como essa “coisa pensante” está relacionada ao corpo. O avanço decisivo da visão sistémica da vida foi abandonar a visão cartesiana da Mente como uma “coisa” e perceber que a Mente e a Consciência não são coisas, mas processos.


A Mente e a Consciência são processos, não coisas.

O Processo de Conhecer

Este novo conceito de mente foi desenvolvido durante a década de 1960 pelo antropólogo Gregory Bateson, que usou o termo “processo mental” e, de forma independente, pelo biólogo Humberto Maturana. A sua visão central é a identificação da cognição, o processo de conhecer, com o processo da vida.
A cognição, de acordo com Maturana, é a atividade envolvida na auto-criação e auto-perpetuação das redes vivas. Por outras palavras, a cognição é o próprio processo da vida. A atividade auto-organizadora dos sistemas vivos, a todos os níveis da vida, é a atividade mental. As interações de um organismo vivo – vegetal, animal ou humano – com o seu ambiente são interações cognitivas. Assim, a vida e a cognição estão inseparavelmente ligadas.
A mente – ou, mais precisamente, a atividade mental – é imanente na matéria a todos os níveis da vida. Pela primeira vez, temos uma teoria científica que unifica a mente, a matéria e a vida.


Uma Teoria que unifica a Mente, a Matéria e a vida. A visão sistemática da vida agrega a Mente, a Matéria e a vida.

Problemas Sistêmicos – Soluções Sistêmicas
Quero enfatizar que minha síntese da visão sistêmica da vida não é apenas uma teoria, mas tem aplicações muito concretas. Podemos usar a visão da teoria dos sistemas da vida para lidar com os problemas da nossa crise global multifacetada.

Hoje em dia, é cada vez mais evidente que nenhum destes problemas – energia, meio ambiente, mudanças climáticas, desigualdade econômica, violência e guerra – pode ser entendido isoladamente. São problemas sistêmicos, o que significa que todos eles estão interligados e interdependentes. Como o Papa Francisco coloca na sua notável encíclica Laudato si:

A nossa casa comum está a cair em grave degradação… Isto é evidente em grandes catástrofes naturais, bem como nas crises sociais e mesmo financeiras, pois os problemas do mundo não podem ser analisados ​​ou explicados isoladamente… Não se pode enfatizar o suficiente como tudo está interligado.
Esses problemas sistêmicos requerem soluções sistêmicas correspondentes – soluções que não resolvem nenhum problema isoladamente, mas lidam com ele no contexto de outros problemas relacionados. Soluções sistêmicas, portanto, tendem a resolver vários problemas simultaneamente, enquanto os problemas sistêmicos têm consequências nocivas em várias áreas diferentes.


Os problemas globais não são isolados e requerem uma abordagem mais sistemática.

A Interligação das Questões Globais

Deixe-me tomar a agricultura como um exemplo. Se mudássemos da agricultura química e industrial em larga escala, para a agricultura orgânica, orientada para a comunidade e sustentável, isso contribuiria significativamente para resolver três dos nossos maiores problemas:
Iria muito reduzir a nossa dependência energética, porque agora estamos a usar um quinto dos nossos combustíveis fósseis para cultivar e processar alimentos.
O alimento saudável e organicamente cultivado iria melhorar imensamente a saúde pública, porque muitas das doenças crónicas – doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais, diabetes e assim por diante – estão associadas à nossa dieta.
A agricultura orgânica contribuiria significativamente para aliviar a mudança climática, porque um solo orgânico é um solo rico em carbono, o que significa que ele extrai CO2 da atmosfera e conserva-o como matéria orgânica.


Transformar um problema global tem um impacto sobre outros problemas a ele associados.

Para onde ir agora
Este é apenas um exemplo de uma solução sistêmica. Nas últimas décadas, os institutos de pesquisa e os centros de aprendizagem da sociedade civil global desenvolveram e propuseram centenas de soluções sistêmicas desse tipo por todo o mundo.
O Resurgence tem estado na vanguarda da documentação e da discussão destas soluções nos últimos 50 anos através da fusão única da ciência, arte, filosofia, espiritualidade e activismo que se tornou a sua marca reconhecida.

Por Fritjof Capra a 5 de Fevereiro de 2017
Fonte: http://pt.prepareforchange.net/2017/02/22/20901/

Postagens mais visitadas