Pular para o conteúdo principal

A Ciência da Conexão


Por Colaborama


A ciência moderna está a começar a perceber que o mundo é uma rede viva.
Uma Terra, Uma Humanidade, Um Futuro, é um conceito que tem sido transmitido por poetas, filósofos e professores espirituais ao longo dos tempos. Uma das suas expressões mais bonitas é encontrada no célebre discurso atribuído ao chefe Seattle das tribos Suquamish e Duwamish naquele que agora é o estado de Washington no noroeste dos EUA:

Isto nós sabemos:

Todas as coisas estão conectadas

Como o sangue

Que une uma família…

O que quer que acontece à Terra,

Sucede aos filhos e filhas da Terra.

O homem não tece a teia da vida;

Ele é meramente um fio dela.

Tudo o que ele faz para essa teia,

Ele faz para si mesmo. – Chefe Seattle

conceito de conectividade é amplamente aceito na ciência.

A Teia da Vida

A mesma ideia está no cerne da Carta da Terra, essa notável declaração de 16 princípios fundamentais para construir um mundo justo, sustentável e pacífico. O preâmbulo da Carta da Terra afirma:
Estamos num momento crítico na história da Terra, um tempo em que a humanidade deve escolher o seu futuro… Devemos reconhecer que, no meio de uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade da Terra com um destino comum.

As noções honradas da Teia da Vida e da comunidade da Terra, ou comunidade da Vida, são totalmente coerentes com uma nova concepção da vida que surgiu na ciência nos últimos 30 anos.


A Teia da Vida significa que todos fazemos parte da Comunidade da Terra.

Uma nova Concessão
A visão da vida desde a perspectiva dos sistemas é uma nova compreensão sobre a vida na Terra que está a emergir na vanguarda da ciência contemporânea. O Universo não é mais visto como uma máquina composta de blocos elementares de construção. É uma concepção da vida baseada no pensamento sistêmico e alguns dos novos conceitos e técnicas matemáticas da teoria da complexidade.
Permite-nos, pela primeira vez, integrar as dimensões biológicas, cognitivas e sociais da vida. Descobrimos que o mundo material é uma rede de padrões de inseparáveis relações. Que o planeta como um todo é um sistema vivo, autorregulado.
A visão do corpo humano como uma máquina e da mente como uma entidade separada está a ser substituída por uma que vê não apenas o cérebro, mas também o sistema imunológico, os tecidos corporais e até mesmo cada célula como um sistema cognitivo vivo.

Perspectiva dos Sistemas integra os aspectos biológicos, cognitivos e sociais.

A Perspectiva dos Sistemas
A evolução não é mais vista como uma luta competitiva pela existência, mas sim como uma dança cooperativa em que a criatividade e o surgimento constante da novidade são as forças motrizes. E com o novo ênfase na complexidade, redes e padrões de organização, uma nova ciência de qualidades está a emergir lentamente.
Eu chamo a essa nova ciência de “visão da vida da perspectiva dos sistemas” porque envolve um novo tipo de pensamento – pensar em termos de relações, padrões e contexto.
Na ciência, esse modo de pensar é conhecido como “pensamento da perspectiva dos sistemas” ou “pensamento sistêmico”. Pensar em termos de relacionamentos é crucial para a ecologia, porque a ecologia – derivada do grego oikos, que significa “família” – é a ciência das relações entre os vários membros da casa Terra.


O pensamento sistêmico tem a ver com o olhar para a vida em termos de relacionamentos, padrões e contexto.

Redes Vivas
Uma das ideias mais importantes na compreensão sistêmica da vida é o reconhecimento de que as redes são o padrão básico de organização de todos os sistemas vivos. Os ecossistemas são entendidos em termos de redes alimentares (isto é, redes de organismos). Os organismos são redes de células, órgãos e sistemas de órgãos e as células são redes de moléculas.

A rede é um padrão que é comum a toda a vida. Onde quer que vejamos a vida, vemos redes. Na verdade, no cerne da mudança de paradigma, da visão mecanicista para visão sistémica da vida, encontramos uma mudança fundamental de metáfora: ver o mundo como uma máquina para compreendê-lo como uma rede.

Um exame mais detalhado dessas redes vivas mostrou que a sua característica fundamental é que elas são autocriadas. Numa célula, por exemplo, todas as estruturas biológicas – as proteínas, as enzimas, o ADN, a membrana celular e assim por diante – são continuamente produzidas, reparadas e regeneradas pela rede celular. De modo semelhante, ao nível de um organismo multicelular, as células corporais são continuamente regeneradas e recicladas pela rede metabólica do organismo.


As redes são o padrão básico de organização. As redes são reconhecidas como o padrão básico de organização de todos os sistemas vivos.

Processos de Comunicação
As redes vivas continuamente criam ou recriam-se transformando ou substituindo os seus componentes. Dessa forma, elas sofrem mudanças estruturais contínuas, preservando os padrões de organização da rede. Esta coexistência da estabilidade e da mudança é, de facto, uma das características-chave da vida.
Cada comunicação cria pensamentos e significado, que dão origem a outras comunicações, e assim toda a rede é criada.
A vida no campo social também pode ser entendida em termos de redes, mas aqui não estamos a lidar com processos químicos: estamos lidando com processos de comunicação. As redes sociais, como você sabe, são redes de comunicações. Como redes biológicas, elas são auto-criadoras, mas o que elas geram é principalmente não-material. Cada comunicação cria pensamentos e significado, que dão origem a outras comunicações, e assim toda a rede é criada.


As Redes Sociais geram pensamentos e significados para criarem padrões de comunicação.

A Mente e a Consciência
Uma das implicações filosóficas mais importantes e mais radicais da visão sistêmica da vida é uma nova concepção da natureza da Mente e da Consciência, que finalmente supera a divisão cartesiana entre a mente e a matéria que tem assombrado filósofos e cientistas ao longo de séculos.

No século XVII, René Descartes baseou a sua visão na divisão fundamental entre dois reinos independentes e separados – o da mente, que ele chamou de “coisa pensante” (res cogitans) e o da matéria, a “coisa estendida” (res extensa).

Depois de Descartes, cientistas e filósofos continuaram a pensar na mente como uma entidade intangível e foram incapazes de imaginar como essa “coisa pensante” está relacionada ao corpo. O avanço decisivo da visão sistémica da vida foi abandonar a visão cartesiana da Mente como uma “coisa” e perceber que a Mente e a Consciência não são coisas, mas processos.


A Mente e a Consciência são processos, não coisas.

O Processo de Conhecer

Este novo conceito de mente foi desenvolvido durante a década de 1960 pelo antropólogo Gregory Bateson, que usou o termo “processo mental” e, de forma independente, pelo biólogo Humberto Maturana. A sua visão central é a identificação da cognição, o processo de conhecer, com o processo da vida.
A cognição, de acordo com Maturana, é a atividade envolvida na auto-criação e auto-perpetuação das redes vivas. Por outras palavras, a cognição é o próprio processo da vida. A atividade auto-organizadora dos sistemas vivos, a todos os níveis da vida, é a atividade mental. As interações de um organismo vivo – vegetal, animal ou humano – com o seu ambiente são interações cognitivas. Assim, a vida e a cognição estão inseparavelmente ligadas.
A mente – ou, mais precisamente, a atividade mental – é imanente na matéria a todos os níveis da vida. Pela primeira vez, temos uma teoria científica que unifica a mente, a matéria e a vida.


Uma Teoria que unifica a Mente, a Matéria e a vida. A visão sistemática da vida agrega a Mente, a Matéria e a vida.

Problemas Sistêmicos – Soluções Sistêmicas
Quero enfatizar que minha síntese da visão sistêmica da vida não é apenas uma teoria, mas tem aplicações muito concretas. Podemos usar a visão da teoria dos sistemas da vida para lidar com os problemas da nossa crise global multifacetada.

Hoje em dia, é cada vez mais evidente que nenhum destes problemas – energia, meio ambiente, mudanças climáticas, desigualdade econômica, violência e guerra – pode ser entendido isoladamente. São problemas sistêmicos, o que significa que todos eles estão interligados e interdependentes. Como o Papa Francisco coloca na sua notável encíclica Laudato si:

A nossa casa comum está a cair em grave degradação… Isto é evidente em grandes catástrofes naturais, bem como nas crises sociais e mesmo financeiras, pois os problemas do mundo não podem ser analisados ​​ou explicados isoladamente… Não se pode enfatizar o suficiente como tudo está interligado.
Esses problemas sistêmicos requerem soluções sistêmicas correspondentes – soluções que não resolvem nenhum problema isoladamente, mas lidam com ele no contexto de outros problemas relacionados. Soluções sistêmicas, portanto, tendem a resolver vários problemas simultaneamente, enquanto os problemas sistêmicos têm consequências nocivas em várias áreas diferentes.


Os problemas globais não são isolados e requerem uma abordagem mais sistemática.

A Interligação das Questões Globais

Deixe-me tomar a agricultura como um exemplo. Se mudássemos da agricultura química e industrial em larga escala, para a agricultura orgânica, orientada para a comunidade e sustentável, isso contribuiria significativamente para resolver três dos nossos maiores problemas:
Iria muito reduzir a nossa dependência energética, porque agora estamos a usar um quinto dos nossos combustíveis fósseis para cultivar e processar alimentos.
O alimento saudável e organicamente cultivado iria melhorar imensamente a saúde pública, porque muitas das doenças crónicas – doenças cardíacas, acidentes vasculares cerebrais, diabetes e assim por diante – estão associadas à nossa dieta.
A agricultura orgânica contribuiria significativamente para aliviar a mudança climática, porque um solo orgânico é um solo rico em carbono, o que significa que ele extrai CO2 da atmosfera e conserva-o como matéria orgânica.


Transformar um problema global tem um impacto sobre outros problemas a ele associados.

Para onde ir agora
Este é apenas um exemplo de uma solução sistêmica. Nas últimas décadas, os institutos de pesquisa e os centros de aprendizagem da sociedade civil global desenvolveram e propuseram centenas de soluções sistêmicas desse tipo por todo o mundo.
O Resurgence tem estado na vanguarda da documentação e da discussão destas soluções nos últimos 50 anos através da fusão única da ciência, arte, filosofia, espiritualidade e activismo que se tornou a sua marca reconhecida.

Por Fritjof Capra a 5 de Fevereiro de 2017
Fonte: http://pt.prepareforchange.net/2017/02/22/20901/

Postagens mais visitadas deste blog

Biólogos provam que o sarampo não é um vírus, e vence processo da Suprema Corte Alemã.

Em uma decisão recente, os juízes do Supremo Tribunal Federal alemão (BGH) confirmaram que o vírus do sarampo não existe.
Além disso, não há um único estudo científico no mundo que possa provar a existência do vírus em qualquer literatura científica. Isso levanta a questão do que foi realmente injetado em milhões ao longo das últimas décadas.

Nenhum cientista, imunologista, especialista em doenças infecciosas ou médico nunca foi capaz de estabelecer uma base científica, não só para a vacinação do sarampo, mas qualquer vacinação para bebês, mulheres grávidas, idosos e até mesmo muitos subgrupos de adultos.

O fato de muitas vacinas serem ineficazes está se tornando cada vez mais aparente. Merck foi golpeada com dois processos de ação de classe separados alegando que mentiu sobre a eficácia da vacina contra caxumba em sua combinação MMR tiro e fabricados estudos de eficácia para manter a ilusão para as duas últimas décadas que a vacina é altamente protetora.



Estudos como o publicado na r…

Socialismo Fabiano! Lobos em pele de cordeiro.

O socialismo fabiano, ou fabianismo, é um movimento político-social britânico nascido no fim do século XIX, encabeçado pela Sociedade Fabiana. Esta associação foi fundada em Londres no dia 4 de janeiro de 1884, e propunha, como finalidade institucional, a elevação da classe operária para tornar-la apta a assumir o controle dos meios de produção.

Desde seus fundadores, o casal britânico Sidney e Beatrice Webb, o fabianismo nunca passou de um instrumento auxiliar da revolução marxista, incumbido de ganhar respeitabilidade nos círculos burgueses para destruir o capitalismo desde dentro. Os conservadores ingleses diziam isso e eram ridicularizados pela mídia, mas a abertura dos Arquivos de Moscou provou que o mais famoso livro do casal não foi escrito pelo marido nem pela esposa, mas veio pronto do governo soviético.

A articulação dos dois socialismos era chamada por Stalin de “estratégia das tesouras”: consiste em fazer com que a ala aparentemente inofensiva do movimento apareça como ún…

"Israel envolvidos no assassinato do juiz Teori Zavascki em avião para evitar papéis Panamá??

Nas informções abaixo posso não concordar com isto ou aquilo, mas postei na integra o material que encontrei pois, precisamos de toda informação possivel para que ao chegar novas noticias tenhamos uma compreenção melhor do que nos rodeia, atentem para as informações que julguem interessantes descartem o que seja dentro de seu sistema de crenças.  Ricardo Camillo.
Papéis Panamá segunda parte; levando à prisão de mais de 200 políticos e executivos, incluindo o presidente Temer e ex-presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Seria uma outra razão para a demissão procurado do diretor do serviço secreto Mossad ".
21 de janeiro de 2017




O juiz Teori Zavascki morreu no ataque em seu avião na quinta-feira no mar ao sul do Rio de Janeiro.

Seu assassinato foi realizado pela presidência brasileira, que é de propriedade por sionista Michel Temer com a assistência técnica do Mossad para proteger os seus investimentos em ambas as empresas Petrobras e Odebrecht SA, para evitar a prisão de mai…