Pular para o conteúdo principal

Químico Nuclear Publica documento detalhando “O envenenamento por alumínio da Humanidade via Geoengenharia”

Por Edward Morgan
Somente nos últimos dois anos o conceito de geoengenharia gerou um interesse crescente (que parece acelerar a um ritmo crescente) no mundo acadêmico.

Isso também acendeu um grande interesse na formulação de políticas, o que não é surpresa, dado que estamos a falar de “geoengenharia” do clima global em resposta às mudanças climáticas globais.

Isso é exatamente o que a geoengenharia é – uma resposta à atividade humana destrutiva que ainda temos de cessar – e envolve a injeção de partículas / aerossóis estratosféricos na atmosfera para, novamente, reduzir o efeito da mudança climática global.

Por exemplo, o SPICE é um projeto de pesquisa de geoengenharia financiado pelo governo do Reino Unido, que colabora com as universidades de Oxford, Cambridge, Edimburgo e Bristol para examinar a ideia da gestão da Radiação Solar [Solar Radiation Management – SRM].




Algumas das partículas candidatas a pulverizar no ar propostas pela SPICE (para citar apenas algumas) são (fonte):
Sulfato / Ácido sulfúrico / Dióxido de enxofre
Titania
Carbeto de silício
Carbonato de cálcio
Alumina
Sílica
Óxido de zinco

Investigação inovadora
O Dr. Marvin Herndon, PhD., Um químico nuclear, geoquímico, e cosmoquímico – mais conhecido por deduzir a composição do núcleo interno da terra como sendo de silicieto de níquel, e não o metal de níquel-ferro parcialmente cristalizado – publicou uma investigação inovadora na revista de análise pelos seus pares, a Current Science (Academia Indiana de Ciências) intitulado “Envenenamento com alumínio da Humanidade e do biota da Terra pela atividade de geoengenharia clandestina: implicações para a Índia”.

O resumo diz o seguinte:
Em resposta a um apelo urgente por meio de um artigo na Current Science para auxiliar na compreensão da associação geológica da alta mobilidade do alumínio na saúde humana na planície aluvial de Ganga, eu descrevo as evidências da atividade de geoengenharia clandestina que ocorre há pelo menos 15 anos e que tem escalado acentuadamente nos últimos dois anos. A atividade de geoengenharia através de aviões-tanques a jacto lança uma substância não-natural e tóxica na atmosfera da Terra que, com a água da chuva, liberta alumínio altamente móvel. Para além disso, apresento as provas de que a substância tóxica é a cinza volante da combustão do carvão. A dispersão clandestina de cinzas de carvão e a consequente libertação de alumínio altamente móvel, eu afirmo, é uma causa subjacente do aumento generalizado e pronunciado das doenças neurológicas assim como da debilitação atualmente difundida e crescente na biota da Terra. Recomendações são feitas para verificar se a evidência apresentada aqui é aplicável à planície aluvial do Ganga. (Fonte) (Fonte)

O artigo continua, discutindo e citando publicações que detectaram metais pesados como o alumínio, bário, estrôncio e mais na água da chuva, cinzas volantes e muito mais. Por exemplo, durante o período entre Julho de 2011 e Novembro de 2012, 73 amostras da água da chuva foram colectadas e analisadas para o alumínio e bário; 71 foram recolhidas em 60 locais diferentes na Alemanha, 1 na França e 1 na Áustria.

O alumínio foi detectado em 77% das amostras da água da chuva e havia também uma concentração muito alta de bário e estrôncio.
Ele também discute como essas concentrações de metais não são o resultado de fenômenos naturais, como explosões vulcânicas, por exemplo.

Esta não é a única publicação recente e inovadora que vem do mundo da academia sobre este fenômeno. Há alguns meses, a Dra. Rose Cairns, doutorada, que pertence à Escola do Meio Ambiente e da Terra da Universidade de Leeds, publicou um artigo no Geophysical Journal, revisto por pares, intitulado “Climas de suspeição: narrativas da conspiração dos “rastos químicos” e Políticas da geoengenharia”. Ela também está a realizar pesquisas sobre a Governança da Geoengenharia como parte de um projeto multidisciplinar colaborativo entre a Universidade de Sussex, UCL e Universidade de Oxford (http://geoengineering-governance-research.org/). O projeto examina as implicações sociais, éticas e políticas das propostas de geoengenharia climática. (Fonte)

No seu artigo, ela descreve desenvolvimentos no discurso acadêmico e político sobre a geoengenharia, e como a modificação climática, também a ser discutida pelos cidadãos do mundo (que usam o termo “rastos químicos”), está a ter efeitos ecológicos e na saúde devastadores por todo o mundo. De acordo com o seu trabalho:

Entender a política emergente da geoengenharia e levar a sério as reivindicações sobre a importância da participação pública requer uma compreensão de toda a paisagem discursiva em torno das ideias do controlo climático global – incluindo as ideias marginais como aquelas defendidas pelos ativistas dos rastos químicos. Ignorar ou descartar esses discursos como patológicos ou paranoicos é ignorar perspectivas potencialmente reveladoras sobre a política emergente da geoengenharia. (Fonte)

Ela também menciona que:
Esta análise sugere um número de formas pelas quais a narrativa dos rastos químicos pode conter perspectivas e implicações importantes para as emergentes políticas de geoengenharia, que não podem ser descartadas como “paranoicas” ou “patológicas”. (Fonte)

Embora o Dra. Rose não seja uma proponente da “conspiração dos rastos químicos”, é óptimo ver outro artigo publicado por um acadêmico tendo uma perspectiva neutra, reconhecendo a importância dessas alegações, em vez de descartá-las diretamente.
A diferença básica aqui é que a geoengenharia no âmbito acadêmico é estritamente uma proposta, e que esses meios de engenharia do clima da Terra ainda não estão operacionais. Quando se trata dos defensores dos “rastos químicos”, eles acreditam que eles estão operacionais, assim como o artigo acadêmico descrito no início deste artigo, juntamente com muitos outros.

A verdade é que parece haver uma tremenda quantidade de informações que sugerem que esses programas estão verdadeiramente operacionais. Ainda não é claro se a sua intenção é modificar o clima para combater os efeitos do aquecimento global ou promover algum outro tipo de agenda.

Evidências que sugerem que esses programas já estão operacionais:
Nos últimos anos tem havido um declínio no apoio à pesquisa da modificação climática, e uma tendência para os deslocar diretamente para projetos operacionais” – Associação Meteorológica Mundial (Fonte)

Para além de programas de pesquisa específicos patrocinados por agências federais, existem outras funções relacionadas com a modificação climática que são realizadas em vários lugares do ramo executivo. Vários painéis e comités consultivos federais – criados para realizar estudos aprofundados e preparar relatórios, fornecer conselhos ou recomendações ou coordenar programas de modificação climática – foram alocados e apoiados dentro de departamentos executivos, agências ou serviços. (Fonte)
Por Arjun Walia, Collective Evolution

Postagens mais visitadas deste blog

Biólogos provam que o sarampo não é um vírus, e vence processo da Suprema Corte Alemã.

Em uma decisão recente, os juízes do Supremo Tribunal Federal alemão (BGH) confirmaram que o vírus do sarampo não existe.
Além disso, não há um único estudo científico no mundo que possa provar a existência do vírus em qualquer literatura científica. Isso levanta a questão do que foi realmente injetado em milhões ao longo das últimas décadas.

Nenhum cientista, imunologista, especialista em doenças infecciosas ou médico nunca foi capaz de estabelecer uma base científica, não só para a vacinação do sarampo, mas qualquer vacinação para bebês, mulheres grávidas, idosos e até mesmo muitos subgrupos de adultos.

O fato de muitas vacinas serem ineficazes está se tornando cada vez mais aparente. Merck foi golpeada com dois processos de ação de classe separados alegando que mentiu sobre a eficácia da vacina contra caxumba em sua combinação MMR tiro e fabricados estudos de eficácia para manter a ilusão para as duas últimas décadas que a vacina é altamente protetora.



Estudos como o publicado na r…

Socialismo Fabiano! Lobos em pele de cordeiro.

O socialismo fabiano, ou fabianismo, é um movimento político-social britânico nascido no fim do século XIX, encabeçado pela Sociedade Fabiana. Esta associação foi fundada em Londres no dia 4 de janeiro de 1884, e propunha, como finalidade institucional, a elevação da classe operária para tornar-la apta a assumir o controle dos meios de produção.

Desde seus fundadores, o casal britânico Sidney e Beatrice Webb, o fabianismo nunca passou de um instrumento auxiliar da revolução marxista, incumbido de ganhar respeitabilidade nos círculos burgueses para destruir o capitalismo desde dentro. Os conservadores ingleses diziam isso e eram ridicularizados pela mídia, mas a abertura dos Arquivos de Moscou provou que o mais famoso livro do casal não foi escrito pelo marido nem pela esposa, mas veio pronto do governo soviético.

A articulação dos dois socialismos era chamada por Stalin de “estratégia das tesouras”: consiste em fazer com que a ala aparentemente inofensiva do movimento apareça como ún…

"Israel envolvidos no assassinato do juiz Teori Zavascki em avião para evitar papéis Panamá??

Nas informções abaixo posso não concordar com isto ou aquilo, mas postei na integra o material que encontrei pois, precisamos de toda informação possivel para que ao chegar novas noticias tenhamos uma compreenção melhor do que nos rodeia, atentem para as informações que julguem interessantes descartem o que seja dentro de seu sistema de crenças.  Ricardo Camillo.
Papéis Panamá segunda parte; levando à prisão de mais de 200 políticos e executivos, incluindo o presidente Temer e ex-presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Seria uma outra razão para a demissão procurado do diretor do serviço secreto Mossad ".
21 de janeiro de 2017




O juiz Teori Zavascki morreu no ataque em seu avião na quinta-feira no mar ao sul do Rio de Janeiro.

Seu assassinato foi realizado pela presidência brasileira, que é de propriedade por sionista Michel Temer com a assistência técnica do Mossad para proteger os seus investimentos em ambas as empresas Petrobras e Odebrecht SA, para evitar a prisão de mai…