Múltiplas Vacinas Infantis Associadas ao Aumento da Mortalidade


Um novo estudo publicado na revista Vacine trouxe à luz um lado obscuro e extremamente perturbador, ainda que na prática não seja reportado, das campanhas de imunização nos países sub-desenvolvidos, ou seja, a constatação de que a mortalidade infantil às vezes aumenta quando aumenta o número de vacinas co-administradas. Uma descoberta diametralmente oposta à crença amplamente difundida de que a vacinação é sempre uma intervenção que salva vidas e que quanto mais vacinas forem administradas aos bebés, melhor.

Um novo estudo associa a vacina da tríplice bacteriana e as vacinas contra a febre amarela à morte de lactentes

O novo estudo observacional da Guiné-Bissau, país da África Ocidental, intitulado "A co-administração de vacinas vivas do sarampo e da febre amarela e vacinas pentavalentes inativadas está associado a um aumento da mortalidade comparativamente às vacinas contra o sarampo e febre amarela" [i], e relativo à observação, já consistente na literatura biomédica, de que a co-administração da vacina inativada difteria-tétano-pertússis (tríplice bacteriana) e da vacina viva atenuada de sarampo (MV) aumenta a mortalidade em comparação com o recebimento apenas de VM. [ii] [iii]

O objectivo da nova investigação foi o de determinar se a co-administração da vacina pentavalente (PV) com MV e da vacina contra a febre amarela (YF) teve efeitos negativos semelhantes. As vacinas PV e YF foram introduzidas na Guiné-Bissau em 2008, sendo que a PV contem 5 antigênos vacinais de uma só vez (DTP-H, Influenza tipo B-Hepatite B).

Os resultados do estudo surgiram de um ensaio clínico aleatório, controlado por placebo e realizado entre 2007-2011, em que os investigadores administraram vitamina A em contactos de vacinação de rotina em crianças de 6-23 meses em zonas urbanas e rurais da Guiné-Bissau. A um total de 2331 crianças escolhidas aleatoriamente foi dado um placebo, recebendo apenas vacinas vivas (MV ou MV + YF) ou uma combinação de vacinas vivas e inativadas (MV + DTP ou MV + YF + pentavalente).

Quando a mortalidade foi comparada, a taxa de mortalidade ajustada (MRR) para as vacinas vivas e inactivadas co-administradas em comparação com vacinas vivas foi apenas três vezes maior (3,24 (1,20-8,73). Quando MV + YF + pentavalente foi comparado com MV + YF apenas, o MRR ajustado era quase oito vezes maior (7,73 (1,79-33,4)) para a combinação das três vacinas versus duas.

Os investigadores concluíram:
Em linha com os estudos anteriores sobre a tríplice bacteriana, os presentes resultados indicam que a vacina pentavalente co-administrada com MV e YF está associada ao aumento da mortalidade.

As Vacinas contra a febre amarela e pentavalente já estão associadas a mortes
Esta descoberta assume um carácter mais perturbador quando se considera que, até ao final de 2013, e em grande parte graças aos esforços da Aliança Global para Vacinas e Imunização (GAVI), as vacinas pentavalentes terão sido dadas a cerca de 200 milhões de crianças em 72 países em desenvolvimento. A GAVI também afirma que as vacinas contra a febre amarela foram administradas a 60 milhões de crianças, "evitando cerca de 160.000 mortes no futuro". As vacinas pentavalentes já criaram uma ampla controvérsia por estarem ligadas a surtos de mortes infantis em todos os países do Sudeste e do Sul da Ásia onde foram introduzidas, incluindo o Butão, Sri Lanka, Vietname e Índia.

Da mesma forma, as vacinas contra a febre amarela já tinham sido associadas a mortes já em 2001, quando 7 pessoas morreram ao contraírem febre amarela da própria vacina. A questão óbvia emerge então: as vacinas pentavalentes e da febre amarela poderão realmente aumentar a mortalidade apesar da posição da GAVI de que elas são uma intervenção que presumivelmente deveria ser administrada a todas as crianças em risco no mundo em desenvolvimento?

O que acrescenta peso adicional a esta preocupação é que já existe um histórico bem estabelecido de vacinas da tríplice bacteriana (e pólio oral) ligadas ao aumento da morbidade e mortalidade em países subdesenvolvidos, começando com este artigo da 2000 BMJ também sobre uma população de bebés vacinados da Guiné-Bissau que descobriu que os inoculados com uma dose de vacinas da tríplice bacteriana ou poliomielite apresentavam maior mortalidade do que as crianças que não receberam nenhuma dessas vacinas. Um estudo realizado em 2011 sobre as fêmeas da Guiné-Bissau descobriu que a vacina da tríplice bacteriana administrada simultaneamente com a vacina contra o sarampo está associada a um aumento da morbilidade e do fraco crescimento das raparigas. [iv] É evidente que as vacinas podem causar danos significativos. Outro estudo muito mais recente publicado este ano na revista Tropical Medicine e International Health constatou que a vacinação da tríplice bacteriana é responsável por uma maior mortalidade entre as meninas indianas. Outro estudo realizado em 2005 sobre crianças vacinadas na Índia revelou que aqueles que recebem a vacina contra a tuberculose Bacillus Calmette-Guérin (BCG) e tríplice bacteriana sofrem de uma mortalidade significativamente maior do que aqueles que recebem apenas uma das duas vacinas. [v]

Dada a multiplicidade de estudos mostrando os danos induzidos pela vacina, incluindo o aumento da mortalidade infantil, especialmente para as vacinas da tríplice viral, pergunta-se como é que as campanhas de vacinação globais podem promovê-las de forma flagrante como infalivelmente eficazes e extremamente seguras.

Evidência de que as vacinas são tóxicas

Tem-se a hipótese de que esta associação das vacinas da tríplice bacteriana com o aumento da mortalidade pode ser devido ao efeito polarizador do Th2 que é o adjuvante de fosfato de alumínio na vacina, bem como à inflamação crônica causada pela administração intramuscular da vacina no local da injeção, [vi] mas outra explicação óbvia é que as próprias vacinas são exposições tóxicas, sendo que quantas mais vacinas são dadas aos bebês, maior a probabilidade de toxicidade sinérgica, morbidade e mortalidade resultantes.

Exatamente essa possibilidade foi levantada por um estudo de 2011 publicado na revista Human and Experimental Toxicology intitulado "Taxas de mortalidade infantil regridem contra o número de doses de vacina rotineiramente dadas: Existe uma toxicidade bioquímica ou sinérgica?", [vii] que trouxe à tona o facto de que "A taxa de mortalidade infantil (IMR) é um dos indicadores mais importantes do bem-estar sócio econômico e as condições de saúde pública de um país. O calendário de imunização para infância nos Estados Unidos especifica 26 doses de vacina para lactentes com menos de 1 Ano - a maior carga de vacinação no mundo – mas ainda assim 33 nações têm menores IMRs que os Estados Unidos. "O estudo descobriu que existe uma forte correlação e estatisticamente significativa entre o aumento do número de doses de vacina e o aumento das taxas de mortalidade infantil”.
Com a contínua expansão dos programas de vacinação nos EUA e globalmente, justificada pela ideia de que mais vacinas e mais antígenos de vacina combinados dentro de cada injeção conferirão maior benefício geral à saúde (que superam os riscos das próprias vacinas) e através de porta-vozes das "segurança vacina" como Paul Offit alegando que até 10.000 vacinas podem ser administradas a uma criança de uma vez em segurança, este novo estudo indica que exatamente o oposto é verdade.


Escrito por Sayer Ji que é fundador do Greenmedinfo.com e revisor do International Journal of Human Nutrition and Functional Medicine, Co-fundador e CEO da Systome Biomed, Vice-Presidente do Conselho da Federação Nacional de Saúde e Membro do Comité Director da Fundação Global Non-GMO.

Aviso: Este artigo não se destina a fornecer aconselhamento médico, diagnóstico ou tratamento. Os pontos de vista expressos aqui não refletem necessariamente aqueles do Greenmedinfo.com ou dos seus colaboradores.
Recursos:
[i] Ane Bærent Fisker, Henrik Ravn, Amabelia Rodrigues, Marie Drivsholm Ostergaard, Carlito Bale, Christine Stabell Benn, Peter Aaby. Co-administration of live measles and yellow fever vaccines and inactivated pentavalent vaccines is associated with increased mortality compared with measles and yellow fever vaccines only. An observational study from Guinea-Bissau. Vaccine. 2013 Dec 7. pii: S0264-410X(13)01663-0. doi: 10.1016/j.vaccine.2013.11.074.

[ii] J Agergaard, E Nante, G Poulstrup, J Nielsen, K L Flanagan, L Østergaard, C S Benn, P Aaby.Diphtheria-tetanus-pertussis vaccine administered simultaneously with measles vaccine is associated with increased morbidity and poor growth in girls. A randomised trial from Guinea-Bissau. Vaccine. 2011 Jan 10;29(3):487-500. Epub 2010 Nov 18. PMID: 21093496

[iii] Peter Aaby, Sidu Biai, Jens Erik Veirum, Morten Sodemann, Ida Lisse, May-Lill Garly, Henrik Ravn, Christine Stabell Benn, Amabelia Rodrigues. DTP with or after measles vaccination is associated with increased in-hospital mortality in Guinea-Bissau. Vaccine. 2007 Jan 26;25(7):1265-9. Epub 2006 Oct 18.

[iv] J Agergaard, E Nante, G Poulstrup, J Nielsen, K L Flanagan, L Østergaard, C S Benn, P Aaby. Diphtheria-tetanus-pertussis vaccine administered simultaneously with measles vaccine is associated with increased morbidity and poor growth in girls. A randomised trial from Guinea-Bissau. Vaccine. 2011 Jan 10;29(3):487-500. Epub 2010 Nov 18. PMID: 21093496

[v] Lawrence H Moulton, Lakshmi Rahmathullah, Neal A Halsey, R D Thulasiraj, Joanne Katz, James M Tielsch. Evaluation of non-specific effects of infant immunizations on early infant mortality in a southern Indian population. Trop Med Int Health. 2005 Oct;10(10):947-55. PMID: 16185228

[vi] Mogens Helweg Claesson. Immunological Links to Nonspecific Effects of DTwP and BCG Vaccines on Infant Mortality. J Trop Med. 2011 ;2011:706304. Epub 2011 May 5. PMID: 21760811

[vii] Neil Z Miller, Gary S Goldman. Infant mortality rates regressed against number of vaccine doses routinely given: Is there a biochemical or synergistic toxicity? Hum Exp Toxicol. 2011 May 4. Epub 2011 May 4. PMID: 21543527
Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/multiple-infant-vaccines-linked-dramatically-increased-mortality

Postagens mais visitadas