Pular para o conteúdo principal

"O Número de Deus”: As Origens do “UM”



Símbolos Matemáticos - imagem representativa

De acordo com Plotino (filósofo grego do século III dC), o "UM" é a realidade e a Fonte última de toda existência (Yael, 2006). Filo de Alexandria (filósofo judeu-egípcio nascido durante o século I aC) considerou o número “UM” como o número de Deus e a base para todos os números ("De Allegoriis Legum", ii.12 [i.66]). Como todas as verdades, a natureza fundamental do “UM” é recorrente no tempo. Um exemplo é a evolução do signo escrito 1. Como a imagem abaixo mostra, começou com uma linha horizontal usada pelos indianos, e transformou-se e evoluiu até que surgiu novamente como uma linha, desta vez vertical. A busca pelo significado do “UM” está em curso ainda nos dias de hoje. Por exemplo, no início do século passado, o matemático e génio místico Ramanujan acreditava que todas as unidades emergiam do produto entre o zero e o infinito (Saymal e Ravi, 2016). E, no que a isso diz respeito, quem somos nós para questionar o homem que conheceu o infinito.
O início

Quanto mais se pergunta sobre algo, mais se tende a questionar os fundamentos do conhecimento. As nossas limitações são, antes de mais, as nossas fundações. Como é que os antigos definiam o Um? Como é que uma criança adquire o conceito de Unidade? Estas perguntas não são diferentes. O conceito de Unidade ou do “UM” emerge da repetição. Sem um padrão recorrente, não poderá haver Unidade. Se o Universo nunca foi repetitivo então os padrões nunca teriam existido nem a nossa capacidade de categorizar e analisar o nosso ambiente. Existe uma engrenagem Universal subjacente que impulsiona toda a Criação. Na realidade uma entidade emerge quando o nosso cérebro reconhece tanto a existência de um padrão como o seu desaparecimento. Por exemplo, o padrão de uma maçã repete-se na próxima maçã. Por outro lado, ele desaparece no espaço em torno da maçã. Ou seja, a nossa mente cria uma borda invisível que delimita um interior (o padrão, a maçã, que tipicamente é vermelha ou verde com uma forma arrendondada e com um pequeno ramo a sair do topo) de um exterior (o NÃO "padrão", o não "maçã que é, por exemplo, a árvore, ou o chão onde a maçã caiu). Esta noção de separação entre o que "É" deu origem ao número 1, e a interação de diferentes "UNS" deu origem à geometria e à matemática.
A Vida de Fermat

Fermat era um filósofo e um matemático do século XVII. O seu interesse não era o de publicar artigos visto que na realidade ele não publicou nenhum. Foi o seu filho que tornou o seu trabalho conhecido depois dele falecer. O seu interesse era o de descobrir o desconhecido. E nisso ele foi bastante bem-sucedido. O seu famoso Teorema Último foi descoberto pela primeira vez na margem de uma cópia sua de uma edição de Diophantus, e incluía a afirmação de que a margem era muito pequena para incluir a prova (Singh, 2002). Não foi encontrado nenhum escrito dessa prova. A aparente simplicidade da prova (como sugerido pela declaração de Fermat) eludiu os matemáticos ao longo de séculos, incluindo grandes nomes da matemática como Gauss. O seu interesse exclusivo pelos números inteiros faz-nos questionar a sua profundidade na busca de respostas. Ele terá aprofundado o suficiente para questionar o significado de um número inteiro? Terá ele procurado o seu significado somente com a matemática ou expandiu-se para a geometria? Terá a perspectiva matemático-geométrica do significado de um número inteiro fornecido-lhe as ferramentas para resolver o seu (Fermat) último teorema?



Pierre de Fermat

A resposta a todas as coisas é o início e, afinal, uma árvore inteira sempre começa com uma minúscula semente de conhecimento. Um exemplo disto é a árvore ternária dos triplos pitagóricos primitivos que o Dr. Teia mostrou ser uma árvore nascida do triplo (3,4,5) e crescendo sempre com o mesmo movimento fundamental (Teia, 2016). Em última análise, as perguntas "O que é uma unidade?", "O que é um número inteiro?" “e qual é o significado do último teorema de Fermat?" Estão, de facto, profundamente inter-relacionados, de modo que a resposta combinada a todas as três é a solução para o Último Teorema de Fermat.



Provando o Teorema Último de Fermat. Imagens cortesia do Dr Luis Teia
O Último Teorema de Fermat (Prova Geométrica)

No ano passado (2016), no artigo Origens Antigas intitulado "O antigo uso babilônico do Teorema de Pitágoras e as Suas Três Dimensões", o Dr. Luis Teia apresentou a prova do teorema de Pitágoras em 3D. Este ano, o Dr. Teia explica no seu recente artigo publicado em Fevereiro de 2017, intitulado Teorema de Fermat - uma Visão Geométrica publicada no Journal of Mathematics Research, como essa compreensão 3D do Teorema de Pitágoras forneceu a base geométrica para provar o Último Teorema.

O Último Teorema de Fermat, também conhecido como conjectura de Fermat, é mais do que apenas sobre triplos, é sobre a natureza fundamental do número inteiro, e o seu significado matemático e geométrico. Ele levanta a questão filosófica: O que é uma Unidade? Na linguagem da matemática, uma unidade é definida pelo número 1. Na linguagem da geometria, uma unidade é definida por um elemento de comprimento lateral igual a Um. A perspectiva dum problema depende da linguagem que usamos para o observar, e uma mudança de perspectiva é muitas vezes tudo o que é preciso para ver a solução. Fundamentalmente, a prova de Teias afirma (como mostra a figura abaixo) que não existem inteiros geométricos (nenhum octaedro divisível unitário, que é o fundamento do teorema de Pitágoras em 3D) no reino do teorema tridimensional de Pitágoras, nem em Todas as dimensões mais elevadas.



A Prova de Teia. Imagem cortesia do Dr Luis Teia
Conclusão
A fundação - o significado do “UM” - está a evoluir. Como será daqui a 1.000 anos? A nossa expressão completa o ciclo e voltará a ser uma linha horizontal? A nossa compreensão matemática da realidade tornar-se-á mais uma vez complementada pela geometria euclidiana? Será que a nossa noção do que é um número inteiro e de como ele afeta qualquer teorema (incluindo o Teorema de Fermat) evoluiu paralelamente? A descoberta de Teia contribui para responder a essas perguntas (sobre o significado do “UM”, do que é um número Inteiro e o Último Teorema de Fermat). Não há verdade senão a verdade que encontramos para nós mesmos, e isso inclui a verdade de cada indivíduo e a busca pelo que é o “UM”. Quanto ao Dr. Luis Teia, o seu próximo desafio será o de explicar o significado geométrico do trabalho sobre partições do matemático Srinivasa Ramanujan.

Por Luis Teia

Fonte: http://www.ancient-origins.net/history/god-s-number-origins-one-007578?nopaging=1

Postagens mais visitadas deste blog

Biólogos provam que o sarampo não é um vírus, e vence processo da Suprema Corte Alemã.

Em uma decisão recente, os juízes do Supremo Tribunal Federal alemão (BGH) confirmaram que o vírus do sarampo não existe.
Além disso, não há um único estudo científico no mundo que possa provar a existência do vírus em qualquer literatura científica. Isso levanta a questão do que foi realmente injetado em milhões ao longo das últimas décadas.

Nenhum cientista, imunologista, especialista em doenças infecciosas ou médico nunca foi capaz de estabelecer uma base científica, não só para a vacinação do sarampo, mas qualquer vacinação para bebês, mulheres grávidas, idosos e até mesmo muitos subgrupos de adultos.

O fato de muitas vacinas serem ineficazes está se tornando cada vez mais aparente. Merck foi golpeada com dois processos de ação de classe separados alegando que mentiu sobre a eficácia da vacina contra caxumba em sua combinação MMR tiro e fabricados estudos de eficácia para manter a ilusão para as duas últimas décadas que a vacina é altamente protetora.



Estudos como o publicado na r…

Socialismo Fabiano! Lobos em pele de cordeiro.

O socialismo fabiano, ou fabianismo, é um movimento político-social britânico nascido no fim do século XIX, encabeçado pela Sociedade Fabiana. Esta associação foi fundada em Londres no dia 4 de janeiro de 1884, e propunha, como finalidade institucional, a elevação da classe operária para tornar-la apta a assumir o controle dos meios de produção.

Desde seus fundadores, o casal britânico Sidney e Beatrice Webb, o fabianismo nunca passou de um instrumento auxiliar da revolução marxista, incumbido de ganhar respeitabilidade nos círculos burgueses para destruir o capitalismo desde dentro. Os conservadores ingleses diziam isso e eram ridicularizados pela mídia, mas a abertura dos Arquivos de Moscou provou que o mais famoso livro do casal não foi escrito pelo marido nem pela esposa, mas veio pronto do governo soviético.

A articulação dos dois socialismos era chamada por Stalin de “estratégia das tesouras”: consiste em fazer com que a ala aparentemente inofensiva do movimento apareça como ún…

"Israel envolvidos no assassinato do juiz Teori Zavascki em avião para evitar papéis Panamá??

Nas informções abaixo posso não concordar com isto ou aquilo, mas postei na integra o material que encontrei pois, precisamos de toda informação possivel para que ao chegar novas noticias tenhamos uma compreenção melhor do que nos rodeia, atentem para as informações que julguem interessantes descartem o que seja dentro de seu sistema de crenças.  Ricardo Camillo.
Papéis Panamá segunda parte; levando à prisão de mais de 200 políticos e executivos, incluindo o presidente Temer e ex-presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Seria uma outra razão para a demissão procurado do diretor do serviço secreto Mossad ".
21 de janeiro de 2017




O juiz Teori Zavascki morreu no ataque em seu avião na quinta-feira no mar ao sul do Rio de Janeiro.

Seu assassinato foi realizado pela presidência brasileira, que é de propriedade por sionista Michel Temer com a assistência técnica do Mossad para proteger os seus investimentos em ambas as empresas Petrobras e Odebrecht SA, para evitar a prisão de mai…