Pular para o conteúdo principal

Mercúrio e Chumbo: a Falácia dos “Níveis Seguros”



No nosso mundo cheio de toxinas, muitas vezes estamos à espera que as agências governamentais nos digam quais os níveis de exposição que devemos considerar seguros ou inseguros. Se a nossa exposição não exceder um limite determinado pela agência, assumimos que não existem razões para nos preocuparmos. Mas como é que as agências reguladoras determinam esses mesmos limites? Existem evidências consideráveis ​​que sugerem que os limites de segurança são frequentemente arbitrários e não definem com precisão os riscos.

14 Agosto, 2017 por Edward Morgan

Um novo estudo publicado no Environmental Research por um grupo de investigadores do estado de Nova Iorque destaca precisamente isso. O líder do estudo, o Dr. Brooks Gump da Universidade de Syracuse e os seus co-autores, chamam a atenção para os problemas associados aos baixos níveis de exposição ao chumbo e ao mercúrio, em concentrações notavelmente mais baixas que as consideradas “elevadas” pelas agências reguladoras dos EUA, como o Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) e a Agência de Proteção Ambiental (EPA).

Os autores informam sobre os resultados do estudo sobre as Exposições Ambientais e os Resultados da Saúde Infantil (EECHO), um estudo em curso envolvendo crianças afro-americanas e brancas (idades 9-11) em bairros urbanos de baixo e médio custo. Embora o objectivo principal do estudo da EECHO seja o de investigar a influência das exposições tóxicas ambientais sobre os índices de risco cardiovascular, o trabalho de Pesquisa Ambiental concentra-se em associações interessantes entre os tóxicos ambientais e os resultados do desenvolvimento neurológico.

Descrição do estudo
A amostra incluiu 203 crianças (53% do sexo masculino, 57% afro-americanas). Mais de metade (53%) das famílias tinham rendimentos inferiores a 35.000 dólares por ano. O estudo mediu:

Níveis sanguíneos totais de chumbo e de mercúrio;
Hostilidade (administrada aos participantes);
Outros comportamentos disruptivos (administrados aos pais), incluindo comportamentos de desordem desafiadora de oposição (ODD) e comportamentos de défice de atenção / hiperatividade (TDAH);
Regulação de emoções (participantes);
Doenças do transtorno do espectro de autismo (TEA) (pais);

Inicialmente, os investigadores excluíram as crianças com graves deficiências médicas ou de desenvolvimento (assim como crianças que tomavam medicamentos como a Ritalina). Mesmo com esses critérios de exclusão, os investigadores encontraram níveis substanciais de distúrbios do desenvolvimento neurológico na sua amostra. Eles classificaram mais de uma em cada seis crianças como tendo ODD (16%) ou TDAH (15%), uma em cada nove (11%) tinha hiperatividade / ou um tipo impulsivo de TDAH e uma em vinte (5%) tinha Asperger / Autismo diagnosticado.

Os investigadores encontraram associações significativas entre a desconfiança hostil, comportamentos do género ODD, falta de Consciência e incerteza emocional, correlacionada com o aumento dos níveis de chumbo no sangue. Essas associações significativas ocorreram em crianças com níveis de chumbo no sangue (0,19 a 3,25 microgramas por decilitro) bem abaixo do nível de referência de 5 microgramas por decilitro no qual o CDC recomenda iniciar acções de saúde pública.

Gump e os seus co-autores também mediram a variabilidade da frequência cardíaca (VFC) para avaliar as respostas parasimpáticas (vagais) ao stresse agudo. Eles explicam que eles incluíram a VFC porque as pesquisas emergentes sugerem que as diferenças subjacentes nas respostas do sistema nervoso parasimpático ao stresse agudo podem moldar a susceptibilidade neurobiológica aos factores ambientais. Depois da equipa de investigação de Gump adicionou medidas de HRV aos seus modelos estatísticos como termos de interação, e eles encontraram uma relação estatisticamente significativa e “nova” entre os níveis de mercúrio no sangue e os sintomas de ASD (em particular as competências sociais, atenção aos detalhes e imaginação) no subgrupo de crianças que revelou um tom ​​vagal sustentado sob stress agudo. Este último resultado corresponde aos resultados de um estudo de 2003 em que as crianças autistas exibiram um “sistema vagal excessivamente controlado” que sugeria uma “hipersensibilidade autónoma“. Os autores apontam para a necessidade de pesquisas futuras para analisarem o papel do mercúrio no desencadeamento, com maior frequência, de sintomas do espectro autista em crianças que exibem atividade parassimpática atípica.

Comentários
Numa publicação separada, sobre o estudo da EECHO, os autores observam explicitamente a sua suposição de que “a maioria do mercúrio total no sangue era metilmercúrio ingerido através do consumo de peixe”, acrescentando que não realizaram a especiação do mercúrio para verificarem a sua suposição. Esta é uma limitação notável do estudo, porque a medição dos níveis sanguíneos de metais pesados ​​avalia a exposição recente (ou em curso) aos metais pesados, mas não é um método preciso para determinar se os órgãos, tecidos ou ossos estão a armazenar esses metais tóxicos. Muitas crianças nos EUA ainda recebem, anualmente, vacinas contra a gripe que contêm timerosal. Essas contêm quantidades significativas de metilmercúrio, que se move mais rapidamente nos tecidos e órgãos do que o metilmercúrio.

Os autores apontam para a necessidade de pesquisas futuras para analisarem o papel do mercúrio no desencadeamento, com maior frequência, de sintomas do espectro autista em crianças que exibem atividade parassimpática atípica.

Apesar deste descuido, os autores enfatizam a importância de se prestar atenção aos baixos níveis de exposição ambiental ao metal, porque “as exposições ambientais afetam uma proporção muito maior de crianças”. Este comentário põe em causa a relevância dos limiares de “segurança” para substâncias altamente tóxicas. Assim como Ralph Nadar advertiu uma vez que alguns carros eram “inseguros a qualquer velocidade”, parece claro que substâncias tóxicas como chumbo e mercúrio são inseguras em qualquer nível.

Fonte: http://www.collective-evolution.com/2017/07/29/mercury-and-lead-the-fallacy-of-safe-levels/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+Collective-evolution+%28Collective+Evolution%29

Postagens mais visitadas deste blog

Biólogos provam que o sarampo não é um vírus, e vence processo da Suprema Corte Alemã.

Em uma decisão recente, os juízes do Supremo Tribunal Federal alemão (BGH) confirmaram que o vírus do sarampo não existe.
Além disso, não há um único estudo científico no mundo que possa provar a existência do vírus em qualquer literatura científica. Isso levanta a questão do que foi realmente injetado em milhões ao longo das últimas décadas.

Nenhum cientista, imunologista, especialista em doenças infecciosas ou médico nunca foi capaz de estabelecer uma base científica, não só para a vacinação do sarampo, mas qualquer vacinação para bebês, mulheres grávidas, idosos e até mesmo muitos subgrupos de adultos.

O fato de muitas vacinas serem ineficazes está se tornando cada vez mais aparente. Merck foi golpeada com dois processos de ação de classe separados alegando que mentiu sobre a eficácia da vacina contra caxumba em sua combinação MMR tiro e fabricados estudos de eficácia para manter a ilusão para as duas últimas décadas que a vacina é altamente protetora.



Estudos como o publicado na r…

Socialismo Fabiano! Lobos em pele de cordeiro.

O socialismo fabiano, ou fabianismo, é um movimento político-social britânico nascido no fim do século XIX, encabeçado pela Sociedade Fabiana. Esta associação foi fundada em Londres no dia 4 de janeiro de 1884, e propunha, como finalidade institucional, a elevação da classe operária para tornar-la apta a assumir o controle dos meios de produção.

Desde seus fundadores, o casal britânico Sidney e Beatrice Webb, o fabianismo nunca passou de um instrumento auxiliar da revolução marxista, incumbido de ganhar respeitabilidade nos círculos burgueses para destruir o capitalismo desde dentro. Os conservadores ingleses diziam isso e eram ridicularizados pela mídia, mas a abertura dos Arquivos de Moscou provou que o mais famoso livro do casal não foi escrito pelo marido nem pela esposa, mas veio pronto do governo soviético.

A articulação dos dois socialismos era chamada por Stalin de “estratégia das tesouras”: consiste em fazer com que a ala aparentemente inofensiva do movimento apareça como ún…

"Israel envolvidos no assassinato do juiz Teori Zavascki em avião para evitar papéis Panamá??

Nas informções abaixo posso não concordar com isto ou aquilo, mas postei na integra o material que encontrei pois, precisamos de toda informação possivel para que ao chegar novas noticias tenhamos uma compreenção melhor do que nos rodeia, atentem para as informações que julguem interessantes descartem o que seja dentro de seu sistema de crenças.  Ricardo Camillo.
Papéis Panamá segunda parte; levando à prisão de mais de 200 políticos e executivos, incluindo o presidente Temer e ex-presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Seria uma outra razão para a demissão procurado do diretor do serviço secreto Mossad ".
21 de janeiro de 2017




O juiz Teori Zavascki morreu no ataque em seu avião na quinta-feira no mar ao sul do Rio de Janeiro.

Seu assassinato foi realizado pela presidência brasileira, que é de propriedade por sionista Michel Temer com a assistência técnica do Mossad para proteger os seus investimentos em ambas as empresas Petrobras e Odebrecht SA, para evitar a prisão de mai…