O que aconteceria se o Brasil ingressasse na OTAN

Será que os especialistas militares em Washington tentam incorporar o Brasil em seu cartel de defesa da OTAN?



Cultura Estratégica Tim Kirby
Tradução: Ricardo Camillo

A Organização do Tratado do Atlântico Norte pode estar indo para o sul, até o Brasil. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que para demonstrar sua postura independente no mundo decidiu parar na sede da CIA em Washington DC antes de conversar com o presidente Trump. Isso lembra muito o ucraniano Petro Poroshenko, garantindo que as forças dos EUA desfilarão em seu desfile do dia da independência ou quando ele deverá encontrar-se com colegas dos EUA em seu barco na costa do "seu" país.

Uma vez que a CIA é, em muitos aspectos, o rei criador da América Latina, isso parece uma escolha imprudente de relações públicas, a menos que ele esteja muito certo de que o apoio estrangeiro é muito mais importante do que aparentar ser uma figura brasileira nacionalista independente.

E falando da independência do Brasil, para surpresa de quase todos na mídia, na esfera de análise, Trump disse claramente que “ está seriamente considerando a filiação à Otan ou alguma outra aliança formal com o Brasil ”. Isso obviamente poderia ser apenas os lábios soltos de Trump e o desejo de ser apreciado pela pessoa sentada ao lado dele e a última das duas opções poderia significar praticamente qualquer coisa. “Aliança formal” é vaga na melhor das hipóteses. A primeira das duas opções, a adesão do Brasil à OTAN, é muito mais tangível e, portanto, é um empreendimento muito importante se ocorrer. Então, o que aconteceria se o Brasil ingressasse na OTAN?


Bolsonaro do Brasil com Trump.
Do ponto de vista ideológico / filosófico, o fato de o Brasil ingressar na organização de segurança mudaria fundamentalmente seu propósito e significado. A OTAN foi formada no momento em que o resquício de uma vitória aliada na Segunda Guerra Mundial começou a desvanecer-se como um meio de se unir contra uma nação soviética que foi tão destruída pela guerra que ainda estava lutando para levar as pessoas para o espaço vital da Rússia européia foi aniquilada pelos nazistas. Transforme o relógio algumas décadas à frente e uma Rússia não-comunista nunca foi permitida na OTAN e nunca será. A OTAN é uma aliança anti-russa. Se isso é bom ou ruim depende do leitor, mas o fato é que ele nasceu para esse propósito e continua existindo principalmente para este propósito hoje. Os maiores exercícios militares da OTAN desde o fim da Guerra Fria Rússia como os bandidos não são senhores aleatórios no mundo árabe.

A OTAN também é a força armada aliada do que os russos chamam de “ o ouro milionário ”. Isso implica que cerca de um bilhão de pessoas vivem nos EUA / Canadá + UE, essencialmente no Ocidente rico. Se olharmos para um mapa da Europa, além dos turcos úteis durante a Guerra Fria que tecnicamente têm território na Europa, isso fica muito claro. A OTAN é o exército do "Ocidente".

Então, como a sociedade brasileira mudaria essas duas dinâmicas?

O Brasil e a América Latina não podem ganhar nada da OTAN em termos de se unir para lutar contra os russos porque os russos no presente e no futuro previsível são incapazes de recuperar até mesmo uma porcentagem marginal do território massivo que perderam quando se afogaram no Guerra Fria. A Rússia também está tão distante que se preparar para algum tipo de invasão tradicional por russos no Brasil é insano, para dizer o mínimo. Além disso, o que exatamente o Brasil pode fazer para impedir uma invasão russa de seus antigos territórios do outro lado do mundo, sem bases na Europa e sem meios de combater um conflito intercontinental? O Brasil pode contribuir para o combate à Rússia? Não.

Se o Brasil e a América Latina começarem a ingressar na OTAN, isso significa que o foco não será mais como uma organização anti-russa, mas como algo com um foco muito mais amplo. Ironicamente, se a Otan fizesse uma grande mudança de foco nos anos 90, a Rússia teria se juntado voluntariamente há muito tempo durante aquele período de tempo ingênuo e submisso.

Além disso, a abertura da organização de segurança para além das fronteiras do Golden Billion, se feito com tanta honestidade, certamente quebra a imagem atual da força como um método de colonização do Sul Global que os SJWs reclamam em seus cartazes com erros ortográficos. Isso poderia colocar a América Latina na mesa como iguais com a Espanha, Portugal, França etc. Esta é uma dinâmica radicalmente diferente, para dizer o mínimo.

Em conclusão, é preciso afirmar que isso também poderia ser um movimento para criar o suposto plano de Trump para uma "América Fortaleza", mudando a influência dos EUA para a América Latina. Se há alguma verdade nesse plano, então mudar a OTAN para o sul faz todo o sentido. Do ponto de vista comercial, se Trump for realmente forçar os países membros da OTAN a manter “+ 50%” de bases americanas em seu território, então isso poderia ser apenas “expansão dos negócios de Trump para novos mercados”.

Se a OTAN decidir ir para o sul, nunca mais poderá voltar. A organização será fundamentalmente mudada porque a América Latina não pode ser atacada diretamente pela Rússia e ninguém lá se preocupa com isso e, além disso, a organização feita especificamente para defender o Ocidente, não seria mais exclusivamente ocidental.

Fonte: https://21stcenturywire.com/2019/03/23/what-would-happen-if-brazil-joined-nato/

Comentários